Buscar

Ética no mercado MICE - Parte II

Atualizado: 7 de Nov de 2019




Sim amigos, teremos a Parte II do artigo Ética no mercado MICE, e o que era para ser "Filme" pode virar "Série"!


O volume de comentários e feedbacks recebidos mostrou que de fato precisamos ir fundo no conceito.


É sempre mais fácil julgar a ética ou falta dela no comportamento do outro do que no nosso e para exemplificar essa afirmação usarei "cases" que vivenciei ou que chegaram a mim por seus protagonistas após a publicação do artigo Parte I.

Vamos lá:


Case 1

Banda conhecida e reconhecida por sua qualidade e potencial de animar qualquer evento recebe 3 pedidos de orçamento, de 3 agências diferentes, todos para atuar no mesmo evento atendendo ao mesmo cliente.

Mantendo sua ética profissional a banda envia o mesmo orçamento às 3 agências, sem favorecer em preço nenhuma delas e deduz que a probabilidade de fechar o job é grande. Cria-se a expectativa.

O que acontece então: a data do evento se aproxima e nenhuma resposta chega, nem positiva, nem negativa! O líder da banda faz follow up com todas as agências afinal a apresentação exigirá dele providencias que precisam de certo tempo para serem executadas e mesmo assim nada acontece, silencio total, nenhuma resposta, nem positiva, nem negativa.

Reflexão: é ético não dar retorno a fornecedores, sejam eles uma banda conhecida ou uma empresa de limpeza? Isso também não é assédio moral corporativo?

Como Meeting Planners não somos capazes de entregar nosso trabalho sem nossos preciosos fornecedores, então porque ainda os tratamos tão mal?

O respeito que se espera deve ser o mesmo que se entrega, afinal ser cliente ou fornecedor é uma questão de perspectiva.


Case 2

Evento de alto custo de inscrição, promovido por 2 empresas renomadas com enorme respeitabilidade no mercado e direcionado a executivos e empresários.

Expectativa de quem se inscreve: alto nível em tudo, organização, material, conteúdo com compartilhamento de boas práticas, estratégias, metodologias de sucesso e comportamento ético, claro!

Tudo ia bem até que de repente surge na tela um vídeo conhecido que de tão bom que é também tem sido usado por mim nos meus próprios eventos.

Assisto encantada à apresentação e observo que o uso das palavras para fazer a analogia entre o vídeo e o papel do líder são as mesmas que uso e que a conclusão final igualmente é a mesma.

Coincidência?

Não amigos, estas palavras foram publicadas no LinkedIn em Julho de 2018 por um profissional que sigo e admiro, ou seja, tornarem-se publicas desde este dia.

Qual o problema então? Propriedade Intelectual, Direitos Autorias e Ética!

Ao apresentar o vídeo a primeira informação que passo é o crédito ao autor, inclusive com sua foto e link de perfil. Acredito que tudo que é bom deve ser compartilhado mas jamais conseguiria fazê-lo sem mencionar o autor.

Fiquei até o final da apresentação esperando pelos créditos, tinha certeza de que eles viriam pois minha admiração pelas empresas e profissionais envolvidos não me permitiam esperar menos, que decepção eu tive quando não vieram.

Triste não?? Sei que sou do tipo super sensível e que decepção pode ser um sentimento forte para o mundo corporativo, mas foi assim que me senti.


Acredito verdadeiramente na transparência como base das relações.

Acredito verdadeiramente que podemos ter um mundo, um país, um mercado MICE mais ético.

E principalmente acredito que fazer isso acontecer só depende de cada um de nós.


Vamos Juntos?


#nossomosomercado

120 visualizações

EVENTO UNICO ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA.
CNPJ: 07.374.164/0001-28

Rua José Félix de Oliveira, 834. Andar 1
CEP: 06708-645  -  Cotia/SP

eventounico.cursos@gmail.com

selo_profissional AMPRO.png

© 2020 por Kiron. Todos os direitos reservados.