Feiras & Exposições em Congressos perderão investimentos!?


Por Roberta Nonis

Há 2 anos e 6 meses atrás promovi uma Web Meeting* para discutir o tema: Taxas em Feiras e Exposições, assunto que sempre me incomodou!


Convidamos para estarem conosco clientes investidores destes tipos de eventos, representantes de centros de exposições e de sociedades/associações promotoras.

Nem todos os convidados atenderam ao convite e por isso a discussão ficou sem respostas para algumas perguntas:


1. Por que o custo do KVA é tão alto?


2. Por que o expositor tem que pagar por taxas de limpeza, segurança, bombeiros?


3. Ao comprar o m2 não deveriam estar inclusos estes serviços?


Sabemos que fora do Brasil o valor do m2 inclui todas estas taxas, o patrocinador tem como custo adicional somente a construção de seu stand e os serviços que opte em oferecer dentro dele.


Um outro ponto que estava ganhando espaço no pré-pandemia foi a regra de que somente fornecedores homologados do centro de exposições podem ser contratados pelos patrocinadores, ou seja, além de ter que confiar no padrão de qualidade oferecido o patrocinador paga mais caro pelos serviços, incluídos neste pacote de buffets a montadoras de stand.


Com a retomada acelerada dos eventos esta prática volta a aparecer e a polêmica volta à pauta.


Os gestores de eventos da comunidade que gerencio estão enfrentando um enorme desafio: fazer caber em seus budgets os altos custos de produção (justificáveis pela inflação acumulada no período sem eventos), as já conhecidas taxas regras e ainda a impossibilidade de contratar seus parceiros homologados e com quem tem tarifas ajustadas em favor dos parceiros homologados pelos centros de convenções.


Resultado disso tudo: verbas têm sido desviadas para eventos próprios, onde o custo per capita livre de taxas e fornecedores não homologados é menor e o participante/cliente fica à disposição da marca, recebendo o conteúdo sem concorrência dos demais patrocinadores.


Será que vale a pena perder investimento por insistir neste modelo já tão criticado pelos patrocinadores?


Será o momento “retomada” uma oportunidade de repensar e voltar diferente? Aprender com nossos amigos americanos e europeus e passar a incluir no m2 todos os custos facilitando a vida do patrocinador?


Afinal é o patrocinador quem movimenta a cadeia produtiva, são os briefings deles que movem o mercado, só por isso já merecem ser ouvidos e atendidos em suas insatisfações, foco no cliente é isso certo?


Sou solidária a todos que sofreram com a parada dos eventos, entendo que nem sempre é fácil agradar a todos, mas me nego a aceitar que não há uma forma de melhorar esta questão.

Acredito que boas conversas e trabalho sério, aliados à boa vontade e muito benchmarking sempre trazem soluções.


Nossa comunidade está à disposição dos players envolvidos nessa polêmica, juntos podemos encontrar um caminho e assim manter a roda dos eventos e sua cadeia produtiva girando e gerando empregos, renda, negócios, crescimento!


Vamos Juntxs?

*O artigo e a gravação na íntegra do Web Meeting estão disponíveis em https://www.evento-unico.com/post/taxas-em-feiras-e-exposi%C3%A7%C3%B5es-highlights-2o-webmeeting-1

16 visualizações0 comentário